domingo, 3 de fevereiro de 2013

Conhecendo a Deus

Teologia – Doutrina de Deus


Texto Bíblico

“Porque, passando eu e vendo os vossos santuários, achei também um altar em que estava escrito: Ao Deus Desconhecido. Esse, pois, que vós honrais não o conhecendo é o que vos anuncio”.

Atos 17.23

Introdução

Segundo está escrito em Tiago 4.8, a parte primeira do versículo, “se nós nos chegarmos a Deus, Ele se chegará a nós”.
Ao aceitarmos seu Filho Jesus, como nosso salvador, achegamo-nos automaticamente a Deus.
Agora, como cristãos devemos conhecer nosso Senhor.
Esse é o intuito desta lição, ensinar-nos e ajudar-nos a conhecer e chegar mais próximos de Deus.

I. Quem é Deus?

Deus é espírito, o Criador de tudo e todos (Gênesis 1, João 4.24). Nosso Deus tem muitos atributos. Tais atributos podem ser divididos em duas partes:

1ª- Atributos incomunicáveis – os que não podem ser transferidos ao homem (onipresença, onipotência, onisciência, infinitude e imutabilidade).

2ª- Atributos comunicáveis – os que podem ser transferidos ao homem (amor, santidade, justiça, verdade, fidelidade, etc).

Versículos para consulta: Êxodo 3.14; Provérbios 5.21 e 15.3; Atos 15. 17-18; Tiago 1.17; Salmos 139.1-12 e 147.13-18.

Devemos saber que:

Ø O seu nome deve ser invocado na adoração (Gênesis 12.8).
Ø O seu nome deve ser temido (Deuteronômio 28.58).
Ø O seu nome deve ser louvado (I Samuel 12.50).
Ø O seu nome deve ser glorificado (Salmo 86.9).
Ø O seu nome deve não deve ser tomado em vão (Êxodo 20.7).
Ø O seu nome não deve ser profanado ou blasfemado (Levíticos 18.21, 24.16).
Ø O seu nome deve ser santificado e bendito (Mateus 6.9).

Deus é conhecido como Senhor e Jeová, sendo no sentido de governador e dominador, o qual exige o serviço e lealdade de seu povo. Também é conhecido com Pai, mostrando, com isso, que todas as coisas foram criadas por Ele, inclusive nós, e assim devemos estar debaixo de sua proteção.

II. Como provar a existência de Deus

Para provar a existência de Deus temos dois versículos que citaremos a seguir. Paulo descreve (em Romanos 1.20) com clareza a existencial divina.

“Porque as sua coisas invisíveis, desde a criação do mundo, se entendem e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis”.

Ou seja, ao olhar para o mundo e toda a criação, todos as pessoas deveriam ver as evidências abundantes da existência de Deus. Mas, na verdade, a cegueira espiritual, posta pelo diabo, as impedem de verem a verdade.
O salmista Davi também declara existência de Deus (no Salmo 19.1).

“Os céus manifestam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos”.

Muitos cegos espirituais – conhecidos com incrédulos – crêem que a criação é em si mesma um entidade divina, cuja a força controla o destino humano. Outros crêem que tudo aconteceu pelo fruto do acaso. O famoso Big Bang, uma explosão. Mas, nós cristãos, rejeitamos tais idéias. Acreditamos que, Deus é quem tudo fez e criou.

III. A Santíssima Trindade

Sabemos que há somente um Deus e um só Senhor. Essa verdade é única e imutável. Mas, como Deus é um e três ao mesmo tempo?
Há um só Deus, em três, como assim podemos dizer distintos entre eles. São eles: o Pai, que é Deus; o Filho, que é Deus; e o Espírito Santo, que também é Deus. Chamados, respectivamente, assim de: Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo.
Embora, na Bíblia, não haja a expressão “Santíssima Trindade”, a doutrina cristã do Deus Triuno está evidente em várias passagens bíblicas.

“E aconteceu, naqueles dias que Jesus, tendo ido de Nazaré, da Galiléia, foi batizado por João, o rio Jordão. E, logo que saiu da água, viu os céus abertos e o Espírito, que , como pomba, descia sobre ele. E ouviu-se uma voz dos céus, que dizia: Tu és o meu Filho amado, em quem me comprazo”.
Mateus 1.9-11

Existem três seres perfeitos e distintos, compartilhando uma só natureza divina comum. Este é o maior mistério para nós – crentes – a Trindade.
Entendemos, com isso, que: Cada qual é inteiramente Deus e mostra inteiramente a natureza Divina. O Pai é a fonte da Trindade, o primeiro e criador. É o conceito de tudo o que foi e será criado. O Filho é o “Logos”, ou seja, a expressão de Deus. É ele que revela o Pai para nós. O Filho de Deus é tanto o agente da criação como o único redentor da raça humana. O Espírito Santo, a terceira pessoa da Trindade, procede do Pai, e é adorado e glorificado junto com o Pai e Filho. Ele inspirou as Escrituras, dá poder aos filhos de Deus e convence o mundo do pecado, da justiça e do juízo (João 16.7-8). Assim, devemos entender que a existência da trindade é um mistério que um dia nós iremos entender claramente. Devemos ter fé e ficar naquela palavra que Jesus nos disse:

“Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, credes também em mim”.
João 14.1

Concluindo...

Deus, como Pai, fez tudo o que existe - e o que já existiu. Ele é o pensamento primeiro da trindade. Podendo ser onipresente, onisciente e onipotente. Nosso Deus e Senhor, e é eterno, imutável. Jamais alguém o criou e Ele sempre existiu. Deus é amor, a paciência, a fé, a alegria, e tudo de bom que há nas pessoas – que são seus filhos. Ele subsiste de modo absolutamente perfeito e puro, muito além daquilo que Ele criou. Ele mesmo é incriado e existe à parte da criação. Deus é triuno e absoluto.