terça-feira, 3 de setembro de 2013

Mensagem profética do Antigo Testamento


Em quais aspectos a mensagem profética do Antigo Testamento pode ser aplicada à realidade da Igreja Brasileira contemporânea?

Creio que em muitos aspectos podemos, assim, aplicar à realidade da Igreja Brasileira contemporânea as profecias do Antigo Testamento. Em particular, ressaltarei o livro de Jeremias – ao qual, ainda é atual.
A igreja atual está vivendo uma grande despertar religioso. Vivemos sim, uma grande apostasia, assim como fora citado pelo irmão José de França.
Nunca houve tanta igreja evangélica proferindo a palavra de Deus. Mas, isso não é bom? Sim, em parte, mas, se analisarmos friamente, perceberemos que a igreja de Cristo está crescendo em número, mas será que também em qualidade?
Citei o livro de Jeremias, pois podemos fazer uma analogia com o Israel de Deus daquele tempo com o Israel de Deus atual, que somos nós. Há, sim, muitos profetas Jeremias entre nós, trazendo a palavra de arrependimento ao seu povo, mas este prefere ouvir a voz de sacerdotes que lhe agradem mais, do que a voz divina.
Em nossos tempos, prezamos muito o nosso conforto, o nosso bem estar, a nossa realização pessoal, o nosso poder aquisitivo... Mas isso não é importante? Sim, mas não o principal. Esquecemos para que fomos criados, esquecemos qual o verdadeiro propósito! Estamos apenas ouvindo a s vozes que pregam a prosperidade, uma vida longa e próspera nesta terra. Muito só pensam que são abençoados quando tem um carro do ano, uma conta bancária farta, roupa de marca, etc. Isso reduz o evangelho de Cristo numa troca de interesse. Será que Cristo morreu na cruz apenas para que nós fossemos prósperos?
O povo de Deus, nos tempos de Jeremias, estava contaminado pela idolatria. Até o templo estava contaminado. Podemos ver alguma semelhança com a igreja atual?
Jeremias pregou por 40 anos a Judá (reino do sul) e sua capital, Jerusalém. Exortava-lhes a abandonar seus pecados e a voltar-se a Deus. Ministério este que perdurou de 627 e 586 a.C. Ministrando sob o governo dos últimos cinco reis de Judá (Josias, Jeoacaz, Jeoaquim, Joaquim e Zedequias). A nação caminhava depressa para a destruição pela Babilônia. Mas, este povo era confiante em si.
Vivemos sim, uma grande apostasia, assim como fora citado pelo irmão José de França. Infelizmente, o mesmo tem acontecido com a igreja brasileira. O ídolo ao qual muitos têm adorado é a chamada “prosperidade”. Para tal, fazem-se campanhas e mais campanhas. Há até cursos de como ser prósperos! O “IDE” tem sido deixado de lado... Poucas são ainda as igrejas que pregam a verdadeira mensagem de Cristo, que é o amor ao próximo, o perdão, a pregação do evangelho genuíno que diz para dar a outra faca, perdoar os inimigos... É difícil seguir os passos de Cristo. Temos que morrer todos os dias e nascermos para Deus. Morrer para nossas vontades, morrer para o mundo e suas tendências... Para isso que fomos feitos, que jamais venhamos esquecer.
Assim, a reforma do rei Josias fracassou, pois o povo teve um arrependimento superficial. Ficando assim, o povo contaminado por sua idolatria e egoísmo. Todos os líderes rejeitaram a lei e a vontade de Deus. Jeremias listou os pecados de Judá, predisse o juízo de Deus e rogou a nação que se arrependesse.
Por causa do pecado, Jerusalém foi destruída, o Templo arruinado, o povo capturado e levado para a Babilônia. Judá foi responsável por sua destruição e cativeiro, porque se recusou a ouvir a mensagem de Deus.
Deus é amor, mas é fogo consumidor. Deus é o Criador e o justo juiz. Ele não é responsável pelos atos de seus filhos, pois temos o livre arbítrio. Deus nos ensina com amor o bom caminho e dirige toda a sua criação, a fim de que os planos que traçou se cumpram. Mas, cabe a nós ouvir sua voz e obedecê-la.
Assim, Jeremias prediz que depois da destruição da nação, Deus enviaria o Messias, sendo um povo pastor para seu povo. Assim, quando recebemos a Cristo, recebemos também um novo coração; coração este regenerado e transformado. Então, se não somos mas os mesmos, mas é Cristo Que em nós habita – como diz Paulo – por que queremos seguir os passos do mundo? Por que a igreja brasileira está doente espiritualmente? Por que a igreja não ama? Por que o dinheiro fala mais alto do que o amor?
E terminou com o versículo citado anteriormente pelo irmão Joelson Andrade que se encontra em II Tm 4:3

“Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências”.

Será que já não estamos vivendo este tempo e esta verdade?






Nenhum comentário:

Postar um comentário